terça-feira, 7 de abril de 2015

COMPUTADOR NO LIXO - A. M.Pires Cabral



COMPUTADOR NO LIXO

Eis um computador
no lixo. E todavia
o crânio de lata teve memória dentro
– gigabytes dela! –
fez as quatro operações,
aceitou versos
no seu imaculado
vazio virtual.

Agora já não soma
nem subtrai,
nem geme poemas, nem sublinha
erros de ortografia.
Os pingos de solda, precários
neurónios de metal,
perderam a memória.

Já que te antecipaste,
companheiro,
diz-me como é não funcionar.

E se a ferrugem dói.
A. M.Pires Cabral

1 comentário:

Rogerio G. V. Pereira disse...

Uma ironia
(mais uma)
que não conhecia