domingo, 7 de abril de 2013

Mar - Arménio Vieira



Mar 

Mar! Mar!
Mar! Mar!

Quem sentiu mar?

Não o mar azul
de
caravelas ao largo
e
marinheiros valentes

Não o mar de todos os ruídos
de
ondas
que estalam na praia

Não o mar salgado
dos
pássaros marinhos
de
conchas
areias
e
algas do mar

Mar!

Raiva-angústia
de
revolta contida

Mar!

Siléncio-espuma
de
lábios sangrados
e
dentes partidos

Mar!
do não-repartido
e do
sonho afrontado

Mar!

Quem sentiu mar?

Arménio Vieira


1 comentário:

Rogério Pereira disse...

Mar
Raiva de angústia perdida
de revolta incontida

Mar
De ondas armadas
à flor das águas

Mar! Mar! Mar!
Também estás convocado, mar