quinta-feira, 16 de setembro de 2021

Menina dos Olhos Tristes - Reinaldo Ferreira (filho)

Menina dos olhos tristes

 
Menina dos olhos tristes,
O que tanto a faz chorar?
- O soldadinho não volta
Do outro lado do mar.
 
Senhora de olhos cansados,
Porque a fatiga o tear?
- O soldadinho não volta
Do outro lado do mar.
 
Vamos, senhor pensativo,
Olhe o cachimbo a apagar.
- O soldadinho não volta
Do outro lado do mar.
 
Anda bem triste um amigo,
Uma carta o fez chorar.
- O soldadinho não volta
Do outro lado do mar.
 
A Lua, que é viajante,
É que nos pode informar
- O soldadinho já volta
Do outro lado do mar.
 
O soldadinho já volta,
Está quase mesmo a chegar.
Vem numa caixa de pinho.
Desta vez o soldadinho
Nunca mais se faz ao mar.
 
Reinaldo Ferreira (filho)

Nota: existe um versão musicada por Zeca Afonso e cantada por Adriano Correia de Oliveira e uma outra por Luís Cília


quarta-feira, 15 de setembro de 2021

O CAMALEÃO - Padre Correia de Almeida

 

O CAMALEÃO.

 

Um animal que os zoologistas chamam

Camaleão - tem a virtude física

De apresentar cores diversas, várias

Cores conforme as emoções que sofre.

Agora azul, ou verde, ou pardo logo,

- Verde e amarelo - ás vezes tem-se visto.

Dizem que o tal quadrúpede alimenta-se

De vento, e nada mais. Oh como é parco!

 

O camaleão

Quando desbota,

Faz como faz

O patriota,

 

Que quando muda

De opinião

Faz como faz

O camaleão.

 

O camaleão

É o patriota

Sem ambição.

 

Se de amor pátrio

Engorda e nutre,

É camaleão,

E não abutre.

 

Tanto é verdade ser o patriotismo

De nossos patriotas o alimento,

Quão certo sem auxílio de algarismo

Que o camaleão, não come senão: vento.

 

 Padre Correia de Almeida
 1820-1905
 

Página publicada em junho de 2009; ampliada e republicada em julho de 2012.