segunda-feira, 11 de abril de 2016

A misericórdia dos mercados - Luís Filipe Castro Mendes

A misericórdia dos mercados

Nós vivemos da misericórdia dos mercados.
Não fazemos falta.
O capital regula-se a si próprio e as leis
são meras consequências lógicas dessa regulação,
tão sublime que alguns vêem nela o dedo de Deus.
Enganam-se.
Os mercados são simultaneamente o criador e a própria criação.
Nós é que não fazemos falta.
Luís Filipe Castro Mendes
in A Misericórdia dos Mercados; ed. Assírio & Alvim, 2014)

1 comentário:

Rogerio G. V. Pereira disse...

(acho que a trapalhada
em torno da tal bofetada
acabou por ser uma boa trapalhada.
Ou menos má.
Sei lá!)